sábado, 24 de junho de 2017

AGEs:Pensavam que o que comemos não provoca envelhecimento? Parece que não é bem assim.





Hoje em dia existem mais de 300 teorias sobre o envelhecimento, um pontapé numa pedra e aparece uma nova teoria, mas nenhuma explica plenamente as alterações observadas.

E talvez faça sentido começar por aqui: o que é o envelhecimento?

Biologicamente, o envelhecimento resulta do impacto da acumulação, ao longo do tempo, de danos celulares e moleculares que originam diminuição da capacidade física e mental, propensão para doença e, claro está, morte.

Alguns factores envolvidos no envelhecimento são:

  • Encurtamento dos telómeros: o nome diz tudo sobre este fenómeno que ocorre ao nível dos cromossomas;
  • Idade cronológica: os factores de risco aumentam com o tempo;
  • Stress oxidativo: este é um conceito mais complexo - consiste no desequilíbrio entre a produção de espécies reactivas de oxigénio e a sua desintoxicação através de sistemas biológicos que as removam ou reparem os danos por elas causados (como lesões ao nível do DNA, proteínas e lípidos). As espécies reactivas de oxigénio ou radicais livres, fica já explicado, são ligações de oxigénio agressivas, verdadeiramente hiperactivas! Todos conhecemos a fórmula O2, a ligação estável de dois átomos de oxigénio. Aquando a ocorrência de uma queimadura solar, quando se fuma, durante a prática de desporto, quando se está sujeito a stress e no decurso dos processos de envelhecimento, vão-se formando radicais de oxigénio isolados (O-) cujo braço livre - que devia estar abraçado a outro átomo de oxigénio - procura sempre alguma coisa para se agarrar e, infelizmente, tem a lamentável inclinação para os tecidos e para o material genético. Esta ligação nociva implica dano ao nível dos tecidos e consequente envelhecimento;
  • Gliacação: ligação de açúcares que provocam inibição do DNA, proteínas e lípidos. Os produtos finais desta interação denominam-se AGEs e é sobre estes que me vou alongar neste post.
Portanto, o que são AGEs? Advanced Glycolation End Products. Sim, vamos trocar isto por miúdos. 

Consistem nos produtos finais da interação de açúcares com proteínas e esta interação denomina-se reação de Maillard. Esta é muito comum ocorrer quando se cozinha, é o que confere a cor dourada aos assados por exemplo.

Podem ser formados via endógena, através do metabolismo/envelhecimento normal, ou exógena, através da radiação, fumo, ingestão de alimentos sujeitos a altas temperaturas e outros como carnes, óleos e azeites. Estão na base de muitas patologias crónicas (altamente acumulados por diabéticos).

E o que interessa isto ao nível da pele e do envelhecimento cutâneo, estarão vocês a perguntar. Preocupam-se com o vosso aspecto, com o  processo de envelhecimento? Não querem tornar-se ao longo da vida umas encorrilhadas/os com tudo a abanar? Então atentem.

Os efeitos da glicação na pele são preocupantes porque desencadeiam stress oxidativo e inflamação. Para além disso, provocam endurecimento e degradação dos tecidos de suporte, o que se traduz em danos ao nível das fibras dérmicas como o colagénio e a elastina (que como se sabe são elementos chave para a juventude da pele), provocando, então, diminuição da elasticidade e tonicidade da pele  e daí, claro está, rugas. Mais, a acumulação de AGEs depende do ritmo de turn over das proteínas, o que quer dizer que proteínas com tempo de vida prolongado poderão mais facilmente ser alteradas através do processo de glicação, como é o caso do colagénio I e IV. A cereja no topo do bolo é que, por este ser um processo de glicação é irreversível, não sendo, pois, possível reverter a formação de AGEs.

Apesar de não ser possível a reversão da formação destes produtos, é possível evitar que se formem. Ou pelo menos tentar que se formem menos, numa visão bastante mais realista.

Antioxidantes como polifenóis, carotenóides e vitamina E combatem o stress oxidativo, competidores pelo radical amina também são úteis, como é o caso da carnosina e esquecer os métodos de cozinha ocidentais! Grelhados, assados e fritos são métodos que usam calor seco durante muito tempo, ambiente perfeito para a formação de AGEs (promove 10 a 100 vezes a sua formação!!!!). A solução é cozinhar a vapor durante curtos períodos de tempo - aqui quem tem Bimby está em vantagem - e ingerir inibidores naturais de AGEs como lima, maçã, morango, gengibre, brócolos, alecrim, especiarias e, levantemos as mãos para o céu, a lista é bastante extensa.

Todos envelhecemos e não há motivo para ser assustador, mas certos cuidados só fazem bem em todos os sentidos. Estes são alguns deles. 

Espero que tenham gostado.

J.

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Bowls Quentes

Quando se fala em Bowls, as tão famosas taças de comida, imaginamos logo uma bowl de frutas coloridas e açaí, certo?!
Porque não imaginarmos também uma Bowl quente ?
De arroz, massa ou mesmo de feijão ?
Associamos o nome Bowl a uma refeição saudável, cheia de ingredientes do bem e sem saber bem porquê, a nossa mente leva-nos logo a iogurtes, smoothies ou legumes cortados e peixe cru.
Hoje decidimos partilhar as nossas receitas de Bowls cozinhadas, menos coloridas mas igualmente deliciosas.


domingo, 18 de junho de 2017

Verão: Uma Óptima Altura para Vos Sensibilizar para a Proteção Solar!

Há tanta mas tanta coisa a dizer sobre proteção solar e é tão importante que usem que quase nem sei com começar este post. Aliás, ando há semanas a fio a escrever-lo este post! Ainda assim fiz tudo para fazer um post curtindo para não ser (tão) chata,

O sol tem uma importância imensa nas nossa vida pois, entre outras coisas, influencia a nossa aparência física, o nosso estado psicológico e tem um papel fundamental na síntese de vitamina D. 



É, no entanto, muito importante sensibilizar as pessoas para utilizarem proteção solar todo o ano porque a radiação solar é um perigo constante, responsável, a curto prazo, por eritema e queimaduras solares e a, longo prazo, pelo fotoenvelhecimento e cancro de pele. Por isso, minhas almas, usem protector solar SEMPRE! Sempre é sempre, não é só no verão. Faça chuva, faça sol, mesmo que não vão à praia, não interessa. Usem! Estou sempre a escrever o mesmo, já sei.


E não há desculpa que vos valha! O típico protetor solar que deixava a cara toda branca e besuntada já era, e hoje em dia as fórmulas são tão diversas que podemos escolher um protetor que corresponda ao nosso tipo de pele, com o fator de protecão à escolha, com filtros químicos (os novos com triazonas e triazinas ou com fórmulas clássicas) ou com filtros físicos (com nanotecnologia, micronizados ou com fórmulas clássicas) e por aí fora. 


Por tudo isto, hoje venho dar uma mãozinha e explicar como é que os protetores solares funcionam, como descobrir o melhor protetor solar para vocês e, claro, falar-vos dos meus favoritos.

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Review: Frezyderm Velvet Sun Screen, A Maravilha da Proteção Solar

Bom tempo pede praia ou piscina e praia ou piscina implica exposição solar certo? Bem sei que a maioria das pessoas limita-se a usar protetor solar apenas aquando esta exposição por isso aqui estou eu para vos falar de um protetor solar absolutamente maravilhoso. 

Faço a ressalva habitual: o protector solar é para usar sempre. Sempre na vossa vida, sempre é sempre! Verão, inverno, com sol, sem sol, no trabalho, na praia, no carro, na esplanada, na corridinha para ficar fit, sempre!Espero assim vencer-vos pelo cansaço.

Para mim, atualmente falar em protector solar é equivalente a Frezyderm Velvet Sun Screen.